5 ideias do Jeff Bezos, CEO da Amazon

Aqui estão 5 ideias do Jeff Bezos, CEO da Amazon, que eu acho muito interessantes:

A primeira é “Foquem-se nas coisas que não mudam”
Quando pedem ao Jeff Bezos para prever o que vai acontecer daqui a 10 anos ele responde que uma pergunta muito mais importante que essa é: “O que é que não vai mudar daqui a 10 anos?”
Para o Bezos, das coisas mais importantes para o futuro de um negócio é as pessoas focarem-se nas 3 coisas que nunca vão mudar. No caso da Amazon, o Jeff Bezos não consegue imaginar um futuro em que as pessoas queiram produtos mais caros, queiram entregas mais lentas ou queiram uma oferta de produtos mais pequena. Ele acha impossível alguém algum dia dizer “Jeff, adoro a Amazon mas gostava que os preços fossem um bocadinho mais altos”. Assim, a linha orientadora de acção torna-se facilitada: constantemente pensar como reduzir preços, repensar infraestruturas para entregas mais rápidas e aumentar a oferta de produto.

A segunda ideia é uma que eu gosto muito e de que me lembro sempre quando oiço alguém a dizer que tem uma ideia disruptiva que vai mudar tudo.
Segundo o Jeff Bezos, o acto de inventar algo não é disruptivo. Apenas a aceitação dos clientes dessa coisa é disruptiva. Uma ideia não é disruptiva por si própria. Só quando os clientes aceitam algo novo, é que essa coisa se torna disruptiva.

Terceiro: Pensar a longo prazo.
Algo que o Bezos diz que é uma disciplina que tem de ser treinado porque não é algo natural para os humanos.

Quando lhe dão os parabéns pelos resultados de um trimestre que correu bem ele diz que aquilo em que está a pensar é que esses resultados foram cozinhados por coisas que eles fizeram 3 anos antes. Neste momento estão a trabalhar para o que vai acontecer daqui a 3 anos e não para o próximo trimestre.

Quarta: Inovação.
“Se sabes que vai resultar, não é uma experiência” é uma citação dele. Para inovar é preciso aceitar que o falhanço está inerente à experiência.

Quinto: Constante feedback dos utilizadores
A Amazon criou o Amazon Web Services para si própria. Para eles usarem. No entanto, abriram o serviço para quem o quiser usar. Isto gerou uma fonte de rendimento extra (que se tornou uma das maiores fonte de rendimento da empresa) e permite ter um feedback constante sobre se os métodos que eles usam para eles próprios são os melhores do mercado. Porque se as outras empresas não quiserem usar o serviço deles é porque há algo melhor no mercado. Logo, eles têm de de melhorar o próprio serviço para se tornarem melhores.

E uma sexta, de bónus, é a forma como o Jeff Bezos define uma marca. “Marca é aquilo que as pessoas dizem de ti quando sais de uma sala”. Adoro esta.