Os jogadores

Não acham estranho ouvir-se dirigentes de clubes falar mais vezes do que os jogadores? Ou comentadores terem mais tempo de antena que os jogadores? Os jogadores são as estrelas. As pessoas querem acesso aos jogadores. No entanto, a comunicação dos clubes faz tudo para limitar esse acesso. E faz mesmo. Uma fonte dentro de um dos grandes disse-me, para minha surpresa, que os jogadores são vistos pelo clube como intocáveis que devem ser protegidos a todo o custo. Evitando ao máximo expô-los na comunicação do clube. E isto é extremamente bizarro. Porque todos os media já estão a explorar a imagem dos jogadores. Os clubes e os jogadores, as duas entidades que podiam beneficiar mais com uma exposição controlada e positiva do lado humano dos jogadores, não o fazem.

Como é que é possível que só depois do Bruno Fernandes estar há dois anos em Portugal, e estando possivelmente à beira de sair, é que o mundo está a descobrir que ele tem um sentido de humor incrível? Há uns dias ouvi uns minutos da presença do Jonas no Programa da Cristina e pensei “olha, até está aqui uma pessoa que sim senhor”. Porque é que os clubes impedem que as pessoas, os adeptos, os clientes, possam ter acesso aos jogadores enquanto pessoas? Eu gosto mais do Evra agora, por causa dos vídeos hilariantes dele, do que alguma vez gostei dele.

Muitas empresas estão a pensar como é que haverão de se tornar mais humanas na sua comunicação para criar uma ligação emocional ao cliente. Ao ponto de quererem expôr os seus colaboradores. Um clube de futebol, com uma matéria prima tão grande de capital humano, um no qual as pessoas já estão super interessadas à partida, não o faz. Todos os anos um clube tem 25 pessoas (mais as de equipas de outros escalões, mais as outras modalidades) de histórias para explorar. Quão incrível seria ouvir da boca do Acuña como foi crescer num bairro difícil da Argentina? Ou o Brahimi falar da Argélia e de como funciona o Ramadão. E isto não tem de ser complexo com mega produção. Têm noção do quão as pessoas iam adorar ver um vlog de youtube “um dia na vida do X”. Basta uma câmara a acompanhar um dia de um jogador. Ou o quão ia bombar colocar um grupo de jogadores a fazer um torneio de FIFA entre eles com um stream em directo no twitch ou no youtube? Todos na palhaçada a apertar uns com os outros. Se quisermos ir ainda mais longe, porque é que em prol da sanidade e paz do futebol, dois clubes rivais não juntam dois jogadores, depois de terem jogado um contra o outro nesse jogo, a falar de como foi a partida? Não preferiam ver jogadores a falar de futebol do que comentadores? Não só era um bom conteúdo como daria mais resultado que um presidente de uma federação a apelar ao fair play no futebol.

Porque eu, como adepto, quero ver e ouvir os jogadores e, infelizmente, a única coisa que ouvimos da boca deles são frases feitas e combinadas como “o grupo de trabalho esteve bem durante a semana. Vamos continuar a trabalhar bem”. De que é que os clubes têm medo?